[ editar artigo]

Vegetalma

Vegetalma

Vegetalma 

Arborizar-se 

Do sentir vegetal que me cabe 

Aprendi na brandura do movimento 

A ter raízes, tronco, galhos, folhas, flores e frutos a contento 

Partilho da calma com que elas se mantém 

Assim terrestres embora aéreas 

Na altivez sóbria de quem jamais se deita 

Na generosidade ampla de quem tudo oferece 

Há quem lhes corte a ferro e fogo e ódio 

Mas as árvores - cada qual a sua maneira - são como o sândalo 

Cortam o corte com perfume 

Exalado do interior de sua essência 

E o que resta a quem lhes destrói e degrada 

É ter de lidar com a sua própria indecência 

Pois o ato de fúria de quem tenta extinguir-lhes 

Deixa apenas evidente a espúria injúria 

Brutal e torpe 

Abjeta e podre 

de sua própria impotência... 

Passado o tempo erguem-se altas novamente as tuas ramagens 

A despeito dos cortes, do fogo, do ódio 

E de toda improbidade 

Pois a natureza da árvore, 

Além de forte, é totalmente despida de qualquer maldade. 

 

Carla Pinheiro 


Quer saber mais sobre o Simbiose IN corpórea? Acesse a página no Facebook, clicando no ícone abaixo:


Podem também encontrar esses e outros conteúdos nas minhas redes sociais do Instagram, clicando no ícone abaixo:


Simbiose IN corpórea - Por uma ontologia de interalteridades é um projeto de exposição de filosofia, artes e poesia da artista Carla Pinheiro que foi realizado em 30 de novembro de 2020 no Museu de Arte Contemporânea de Niterói, contemplado pela Chamada Pública de Fomento às Artes de Niterói, o Edital N°007/2019, realização da Prefeitura de NiteróiSecretaria das Culturas de Niterói e Fundação de Arte de Niterói.

Narrativas

INfluxo
Carla Pinheiro
Carla Pinheiro Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você