[ editar artigo]

Um Morto se Comunica com os Vivos

Um Morto se Comunica com os Vivos

Preciso te descrever a minha raiva,
A indignação que sai de frios lábios,
Meu desconforto com a bestial rotina 
Feito rio de turvas águas que mata
A sede no mundo dos vivos.
Ninguém aí se culpa pela minha morte? Não lembram
Das centenas de vidas ceifadas pela pandemia?
Presos num eterno imobilismo, 
Os vivos nada fazem para punir os genocidas. 
Os protocolares pedidos de impeachment 
Nem incomodam o facistóide mor.
Kafka ri aqui do meu lado e diz que os magistrados
Brasileiros são fantoches burocráticos de uma 
Elite que desdenha da vida operária. 
Orçamentos secretos que legitimam corrupções,
Verbas da saúde usadas para montar banquetes militares,
Tetos de gastos públicos que limitam benesses ao povo,
Miséria, descaso, suicídios a todo instante...
Fui apenas curta nota nos noticiários da mídia conivente?
Nós (os mortos) somos meras estatísticas a serem discursadas
Por parlamentares e togados em seus incontáveis privilégios?
Tudo aí é silêncio na mistura de ignorância e reto conformismo.
Invoco a memória empapada de sangue, as cinzas do luto, para que vocês,
Os ditos vivos celebrem a vida com justiça e liberdade.
 

Narrativas

INfluxo
Dennis De Oliveira Santos
Dennis De Oliveira Santos Seguir

Sociólogo, professor e escritor. Um amante do mundo das letras que se expressa através de poesias e crônicas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você