[ editar artigo]

ESCUREÇO-ME

ESCUREÇO-ME

I

A saudade bate forte,

Corro em sua direção, entretanto,

Não a encontro...

As lágrimas percorrem os pequenos

Rasgos da face que carregam as marcas do tempo,

Elas banham o rosto por saber que

Não estas mais aqui.

***

A dor me consome,

digladio-me com essa dor colossal,

Mas ela sempre sai vitoriosa.

E nessa batalha de cartas marcadas

As límpidas,

Silenciosas,

Doloridas

Lágrimas,

Vencem.

 E anoitece dentro de mim...

 

II

O coração espremido

Pela dor da ausência grita mais forte,

Os olhos te procuram,

Querem enxergar-te além mundo.

Os corpo quer o teu abraço,

O rosto necessita sentir as carícias das sedas de suas mãos,

As narinas querem sentir mais uma vez

O teu doce aroma.

Os lábios querem sentir seu doce sabor,

Os ouvidos anseiam por ouvir mais uma vez

Sua voz que ecoa como notas musicais de um Minueto,

Desejam ardentemente ouvir-te,

Mesmo que seja apenas

Um murmúrio,

Um sussurrar,

Um arfar,

Um ar,

um sopro !

 E assim, inverna-se dentro de mim...

 

III

O desespero bate à porta

Por não tê-la perto de mim,

Herculeamente luto contra a morte

Que tenta tragar-me vivo!

Deixa-me abatido e fraco.

Tento guerrear como um soldado romano,

Um Guerreiro Otomano,

Um bravo Huno

Ou mesmo um Valente Mongol.

Mas ela é tão forte que sinto esvaírem-se minhas forças.

Quero ser mais forte,

 vencê-la!

driblá-la,

nocauteá-la,

expurgá-la,

bani-la.

E relampeja dentro de mim…

 

IV

Uma luta inglória,

Uma batalha com vencedores marcados.

Mesmo que eu tente vencer

Parece estar traçado meu destino...

Que fardo pesado carrego nos ombros!

O fardo da saudade...

Da ausência física.

Da falta do seu afeto,

Da privação do teu calor!

Da minha incapacidade de enxergar

O além mundo.

***

Tenho medo de não mais encontrá-la,

Mesmo que consiga estar do lado em que estás,

O medo de nunca mais poder ver-te

Me assombra!

Corrói,

Machuca,

Aperta,

Sufoca...

Esgana-me!

E neva-se dentro de mim...

 

V

Sua ausência, faz com que me sinta sumindo aos poucos.

Me olho no espelho e não me vejo,

Me toco e não me sinto,

Me procuro e não me encontro,

Sinto-me perdido em meu próprio labirinto;

Preso por correntes que não vejo,

Mas sinto-as apertar-me os punhos de tal forma

Que fico imóvel!

Aturdido.

Escondido,

Amedrontado,

Esmaecido!

Acuado...

E trovoa dentro de mim.

 

VI

Como é difícil prosseguir sem você.

Como é doloroso estar sem o tom

Do arco-íris da tua presença.

Sem as primaveras do teu sorriso.

Sem os outonos dos teus carinhos...

Sem o verão dos teus abraços!

Sem o calor do teu olhar em minha vida de invernos.

Grito,

choro,

reclamo,

amaldiçoo!

Emudeço.

E alaga-se dentro de mim...

 

VII

Essa dor sufocante tira-me o juízo

E numa tentativa louca de revê-la,

penso,

repenso,

planejo a mais desatinada loucura.

Preciso arriscar-me!

Sabes que demasiadamente enlouqueço sem ti!

Perdoe-me mas eu necessito encontrar-te.

***

Foi loucura eu bem sei,

Mas o desespero por reencontrá-la,

Fez de mim o mais louco dos Romeus,

Fui ao teu encontro...

Sim...

Permiti que o ar deixasse de percorrer-me.

E agora o que faço?

Busquei-te e não a achei!

O sangue já não percorre minhas veias.

O coração não mais pulsa!

A seiva da vida deixou-me

Foi culpa minha eu sei.

Mas cadê você que não veio ao meu encontro?

Por onde andas?

Peça permissão para socorrer-me!

Preciso de ti!

Resgata-me do lodo em que estou!

Sofrimento,

Gemido,

Choro,

Lágrimas,

Escuridão...

Morro todos os dias dentro de mim!

 

VIII

Aqui nesse limbo em que me encontro,

Tento subir os degraus sem fim,

Tento ir ao encontro do fino e distante feixe de luz.

Mas, sempre que acho que me aproximo,

Ele se distancia mais, mais e mais,

Cada vez mais...

Tento desafogar-me das águas negras,

escuras,

fétidas,

putrefatas,

asfixiantes,

amargas!

e necrosa dentro de mim...

 

IX

Aos poucos, percebo que parte de mim já não mais existe.

Quem sou eu?

Quem fui outrora?

A qual mundo pertenço?

Sou gente ou fera?

Anjo ou demônio?

Ser ou inseto?

Pedra ou excremento?

***

Em que mundo estou?

Terra ou céu?

Limbo ou inferno?

Sou matéria ou ectoplasma?

Espirito ou alma penada?

Sou?

Não sou!

Existo?

Não existo!

Subsisto...

E “lamaceia-se” dentro de mim.

 

CLAREIA-ME!

X

Não sei quanto tempo já se passou.

Não sei como cheguei até aqui,

Da mesma forma que não sei como sair daqui...

Esqueci-me de quase tudo,

Mas recordo-me de ti oh minha doce amada!

Luz da minha vida quase inexistente.

Lembro-me de pouca coisa.

Se tenho história, origem eu não sei.

Se alguém chora por mim também não sei.

Apenas carrego em minhas lembranças fragmentos de um tempo

Que não sei ao certo se existiu.

Se é fruto da minha própria insensatez ou se de fato foi real,

Não estou certo de que vivi!

Imaginei?

Sonhei?

Criei???

Inventei!

Vivi...

 

Ah minha doce amada,

minha dama,

Minha musa.

meu Sol,

minha estrela!

Meu céu,

minha vida.

Meu farol,

meu Porto,

meu Anjo...

Salva-me!

Resgata-me!

Cura-me!

Ressuscita-me!

 

A simples lembrança da sua imagem

Ilumina o escuro em que estou.

Areja o espaço sufocante em que vivo ou desvivo.

Preenche um vazio quase que infinito

que me traga!

 

Lembro-me de ti!

Sim,

lembro me de ti minha amada.

Fostes tão cedo...

Deixaste-me tão prematuramente que enlouquecido

Sai correndo

desgovernado,

fora de mim.

 

Ah, que loucura fiz!

Busquei alivio e encontrei tormento.

Busquei por tua presença e me perdi na minha própria ausência...

Procurei por um bálsamo e encontrei martírio,

Busquei-te incansavelmente

E afundei-me no mais torpe lamaçal!

 

Mas ainda existe uma fagulha de tua luz dentro de mim.

 

As lembranças do teu amor

Amanhece dentro de mim.

 

A lembrança do teu sorriso

Primavera-se dentro de mim!

 

A lembrança do teu abraço

Apascenta-se dentro de mim.

 

A lembrança do teu calor

Veraneia-se dentro de mim!

 

A lembrança da tua sua voz

Acalma-se dentro de mim...

 

A lembrança do seu toque

Hidrata-se dentro de mim.

 

A lembrança dos seus afagos

Renasce dentro de mim.

 

A lembrança do seu afeto

Renova-se dentro de mim.

 

A certeza de que te amei e de que ainda me amas,

Clareia-se dentro de mim.

 

E mais uma vez

Sinto a chama da vida chamar-me!

Sinto a luz da tua presença buscar-me.

Sinto teu amou iluminar-me,

Sinto tuas mãos macias a resgatar-me!

 

E assim,

Mais

Uma

Vez:

Amanhece

Dentro

De

Mim.

14/03/21  - 09:59

 

 

 

 

 

Narrativas

INfluxo
Vana Miletto
Vana Miletto Seguir

Poeta e escritora. Membro da academia Internacional de Literatura Brasileira, cadeira 36; Membro da Academia Itapetiningana de Letras, Academia Luminescência Brasileira e Academia Literária do Clube da Poesia Nordestina. Autora de diversas obras.

Ler conteúdo completo
Indicados para você