[ editar artigo]

PAZ INESPERADA

PAZ INESPERADA

Vieste de onde bucólica paz?

Onde estavas quando te busquei? 

Agora invades minha alma

trazendo o amor que há muito estive atrás

 

As coisas são assim

ajeitam-se quando querem

e num instante desprovido

aquieta-se tudo dentro de mim

 

Há! Paz momentânea e desejada

tu és tão preciosa e reconfortante

que se me desse o direito

prender-te-ia em minha alma cansada

 

mas por prender-te

com certeza fugirias

pois és silêncio, mas também rebeldia!

Vede? De mim agora já fugiste!

 

Foto de Garon Piceli

TAGS

poesia

PAZ

INfluxo
Jorge Pontes
Jorge Pontes Seguir

Escritor freelancer, caçador de seleções literárias das quais colho vitórias e de outras apenas "não foi dessa vez. Professor de língua portuguesa, inglês e artes na cidade de Maracanaú-CE. Morador da terra do sol, Fortaleza bela.

Ler conteúdo completo
Indicados para você