[ editar artigo]

Liberta de mim mesma

Liberta de mim mesma

Eu, fulana de tal, que não estou acima do bem nem do mal,vou seguindo os dias como simples e mera mortal, mas, se eu puder ao universo um pedido fazer... só quero que ele transborde luz por essa estrada que a gente ainda tem que percorrer. Afinal... o que nos somos senão meros instantes!? Ao passo que envelheço desmereço a sanidade, ela não me trás mais felicidade. Parece o contrário da obviedade de tudo que aprendi, em toda minha vida, a busca por certezas, razões e estimas,estava no topo da lista. Agora que compreendi, o breve instante no qual residimos e insistimos eternidade, em meio a uma constelação absoluta e inconstante, me guio somente nos pequenos deslizes da paz. É a liberdade que tanto ouvia falar... de mim mesma.

( Marluce Persil)

INfluxo
Marluce Persil
Marluce Persil Seguir

Poeta, Historiadora, iniciou sua Jornada artística aos 14 anos de idade, aos 16 já trabalhava nos Palcos Baianos. Sua vida sempre esteve atrelada aos movimentos sociais e a dedicação ao lecionar, pois, sua maior luta é por uma sociedade igualitária .

Ler conteúdo completo
Indicados para você