[ editar artigo]

Amor, eterno amor.

Amor, eterno amor.

Antes que fôssemos tu e eu, já éramos um
Anseio pelo tempo em que estavas em mim e eu em ti
Tenho saudades do tempo em que já te possuías e te perdi.
*
A matéria, fria, calculada e objetiva nos convocou.
De espírito tornamo-nos carne
Ao plano físico fomos lançados.
*
As almas pouco a pouco se materializavam
Perdíamos a intuição
Átomos, moléculas, células, sangue... e dor.
*
Eu te buscava em meus sonhos
Desenhava teu rosto e te chamava pelo nome.
Tu buscavas a mim sem saber.
*
Cada passo, cada suspiro, cada beijo
Tudo em ti era para mim e tudo em mim buscava a ti
Pouco a pouco, contra toda lógica nos reaproximávamos.
*
Um dia te encontrei
Ou tu me encontraste?
Teus olhos fitaram os meus e tu sabias que já os tinha visto há muito tempo.
*
Tudo era, porém inconsciente, só o coração falava
Mas as palavras do coração não dizem, só sentem
E mais uma vez corríamos o risco da separação.
*
Nosso amor, porém nos fez como planta e terra e nos enraizamos profundamente
Pouco a pouco, dia a dia
Reconhecemo-nos novamente.
*
Agora tu estás em mim
Eu estou em ti
Somos apenas um, mais uma vez.
*
Eu teu seio repouso tranquilo
Em teu ventre encontro meu calor
Em mim tu te tornas completa mais uma vez.
*
A mesma matéria que agora nos uniu
Separar-nos-á novamente
Ao plano espiritual outra vez nos lançará.
*
E o mesmo amor que agora nos une
Que nos une há milênios
Unir-nos-á mais forte ainda.
*
Seremos um em plenitude
Tu em mim, eu em ti
Pelos séculos dos séculos amém.

 

INfluxo
Jorge Pontes
Jorge Pontes Seguir

Escritor freelancer, caçador de seleções literárias das quais colho vitórias e de outras apenas "não foi dessa vez. Professor de língua portuguesa, inglês e artes na cidade de Maracanaú-CE. Morador da terra do sol, Fortaleza bela.

Ler conteúdo completo
Indicados para você