[ editar artigo]

UM SOL PARA TODOS

UM SOL PARA TODOS

 

 

Por volta das 11 horas da manhã, o Sol gelado clareava a praça em que estava a Senhora da Limpeza. Ela havia acordado antes da aurora para começar o seu ganha-pão diário. Aquela senhora estava sentada na escadaria da igreja, descansando após o seu almoço, sem dúvida requentado pelo Sol ameno daquela manhã.  

Vou caminhando até o trabalho, inclusive, acho estranho as pessoas me convidarem para uma caminhada. Poxa! Estes que me convidam são justamente os que não abandonam seus veículos um minuto sequer. Talvez se caminhassem um pouco mais... não precisariam ter um horário para fazer caminhada, mas enfim...  

De repente, pego-me pensando: quantas são as discrepâncias sociais? Enquanto uns lutam pelo almoço do dia seguinte, outros planejam viagens para o espaço. Saiu no jornal televisivo outro dia, que viagens espaciais poderão ser feitas, muito em  breve, por empresas particulares. Os fatos me fizeram lembrar do filme "2012" que retrata um apocalipse em consequência das mudanças climáticas, no qual se põe a salvo somente aqueles que puderam pagar uma grande quantia para um lugar na "arca".  

Chego ao meu destino, e ouço um debate crucial sobre qual a melhor escola infantil particular para se matricular uma criança de 3 anos, com mensalidades que variam de uma a duas vezes mais o salário da Senhora da Limpeza.  

Não coloco em xeque a questão dos que podem ou não pagar, mas enquanto humanidade reflito se realmente estamos caminhando. A capacidade humana de construir naves para um número tão ínfimo de pessoas que se poderia contar nos dedos de uma mão. Do outro lado, tantas Senhoras da Limpeza que lutam por melhores condições de vida. 

Somente quando caminharmos juntos é que realmente poderemos nos alegrar das conquistas humanas, fora isso, caberá sempre a reflexão: se for somente para quem puder pagar, talvez não haja muito o que comemorar. A humanidade será humana enquanto houver valor humano, fora isso, toda vitória será fria, como a de um soldado que mata seu semelhante.

C.M.O.

Narrativas

INfluxo
Cristiano Martins de Oliveira
Cristiano Martins de Oliveira Seguir

Cristiano Martins de Oliveira nasceu em Itatiba, interior do Estado de São Paulo. É participante em diversas antologias e coletâneas pelo Brasil. Possui três livros publicados: SINAPSE, VATICINIUM e OLIVIE e as relíquias de Pindorion.

Ler conteúdo completo
Indicados para você