[ editar artigo]

Um ser estranho

Um ser estranho

cambaleando pelo caminho, eu saio,

cabelos rebeldes voando alto,

um sorriso esquisito brilhando os dentes,

passos tortos, descompassados,

um olhar cansado de parar, de seguir.

A pele queimada pelo sol fervente,

se arrepia com a brisa que toca.

Os ouvidos doloridos,

pelo grito de um pássaro qualquer,

se encolhem num zumbido, sem prazer.

E o ser estranho segue seu rumo, 

passando pelo caminho sem laço, sem traço.

sem memórias ou histórias pra contar,

sempre em frente,

cantando uma velha cantiga pra animar,

uma cantiga que ninguém ouve

mais que o ajuda a caminhar.

 

brizak 25/01/2021

 

 

Narrativas

TAGS

Poema

INfluxo
lidiane Kelly da Silva Santos
lidiane Kelly da Silva Santos Seguir

Amante de poesias, sonhadora por vocação, agradecida por tudo da vida..

Ler conteúdo completo
Indicados para você