[ editar artigo]

Reflexões sobre a quarentena

Reflexões sobre a quarentena

Vivemos achando que tomando todas as precauções o covid 19 não vai chegar até nós. No entanto,  ele chega de maneira silenciosa, invade seu corpo e provoca uma série de ataques em cada parte do seu corpo. A gente tenta suportar porque se dá o direito de achar que o corpo é invulnerável, isso mesmo, acha que por "ser saudável" não vai ter problema algum com os sintomas. Tudo bem que você é jovem, frequenta a academia, tem uma boa alimentação e uma "saúde impecável". Tudo bem! E tem o provedor da família que trabalha incansavelmente para colocar o sustento dentro de casa, atender à todos que chegam nas emergências hospitalares, não tem tempo de ir a academia, quase nunca faz um check-up, consome o que o pequeno salário pode pagar e mesmo assim se coloca na linha de frente pra produzir,  transportar, descarregar, atender e realizar os serviços essenciais. Então,  deixe-me prosseguir, os provedores também podem ser contaminados com o vírus, ter que ficar em quarentena, quanto mais pessoas forem acometidas mais comprometido ficará o ciclo de entrega dos serviços essenciais. Tudo bem que a maioria das pessoas vivem a ilusão de comparar os números do covid 19 com a Aids, o Câncer, Feminicidio, estupro e demais males do nosso século, mas já pararam pra pensar que de algum modo a despedida dos entes que forem acometidos com esses outros males é diferente? Sim? Não? Enfim, cada um tem o livre arbítrio, podem pensar como quiserem, " somos um país livre". Volto a despedida, seu prezado e adorado ente querido é colocado num saco, jogado em um caixão que será lacrado, o tempo de velório? Que tempo? O corpo não espera parentes que moram perto e nem longe. Em algumas situações nem a própria família pode participar da despedida. Toda e qualquer experiência conta, porém nesse momento as pessoas estão mais interessadas em olhar o próprio umbigo:
‌ok não querer usar a máscara porque estará respirando o gás carbônico e isso " faz mal pra saúde";
‌ok  não aguentar ficar em casa porque é uma "pessoa descolada" e prefere se mostrar ao público;
‌Ok concordar com as atitudes do presidente diante do covid 19 porque ele é um "mito";
‌Ok não querer ir às missas, cultos porque o número de frequentadores foi reduzido;
‌Ok querer ir aos barzinhos tomar sua cerveja, porque foi um dia cansativo e você quer relaxar;
Digo em caixa alta que NÃO TÁ OK todas essas pessoas viverem como se não houvesse amanhã e voltarem pra suas casas levando esse vírus horroroso para pessoas que provavelmente fazem parte do grupo de risco, gastam as últimas economias pra pagarem tratamentos de saúde.

Vivemos achando que tomando todas as precauções o covid 19 não vai chegar até nós. No entanto,  ele chega de maneira silenciosa, invade seu corpo e provoca uma série de ataques em cada parte do seu corpo. A gente tenta suportar porque se dá o direito de achar que o corpo é invulnerável, isso mesmo, acha que por "ser saudável" não vai ter problema algum com os sintomas. Tudo bem que você é jovem, frequenta a academia, tem uma boa alimentação e uma "saúde impecável". Tudo bem! E tem o provedor da família que trabalha incansavelmente para colocar o sustento dentro de casa, atender à todos que chegam nas emergências hospitalares, não tem tempo de ir a academia, quase nunca faz um check-up, consome o que o pequeno salário pode pagar e mesmo assim se coloca na linha de frente pra produzir,  transportar, descarregar, atender e realizar os serviços essenciais. Então,  deixe-me prosseguir, os provedores também podem ser contaminados com o vírus, ter que ficar em quarentena, quanto mais pessoas forem acometidas mais comprometido ficará o ciclo de entrega dos serviços essenciais. Tudo bem que a maioria das pessoas vivem a ilusão de comparar os números do covid 19 com a Aids, o Câncer, Feminicidio, estupro e demais males do nosso século, mas já pararam pra pensar que de algum modo a despedida dos entes que forem acometidos com esses outros males é diferente? Sim? Não? Enfim, cada um tem o livre arbítrio, podem pensar como quiserem, " somos um país livre". Volto a despedida, seu prezado e adorado ente querido é colocado num saco, jogado em um caixão que será lacrado, o tempo de velório? Que tempo? O corpo não espera parentes que moram perto e nem longe. Em algumas situações nem a própria família pode participar da despedida. Toda e qualquer experiência conta, porém nesse momento as pessoas estão mais interessadas em olhar o próprio umbigo:
‌Ok não querer usar a máscara porque estará respirando o gás carbônico e isso " faz mal pra saúde";
O‌k  não aguentar ficar em casa porque é uma "pessoa descolada" e prefere se mostrar ao público;
‌Ok concordar com as atitudes do presidente diante do covid 19 porque ele é um "mito";
‌Ok não querer ir às missas, cultos porque o número de frequentadores foi reduzido;
‌Ok querer ir aos barzinhos tomar sua cerveja, porque foi um dia cansativo e você quer relaxar;
Digo em caixa alta que NÃO TÁ OK todas essas pessoas viverem como se não houvesse amanhã e voltarem pra suas casas levando esse vírus horroroso para pessoas que provavelmente fazem parte do grupo de risco, gastam as últimas economias pra pagarem tratamentos de saúde e são contaminados e entubados silenciando assim seu último suspiro de vida.

Ler conteúdo completo