[ editar artigo]

Perfume de outras vidas

Perfume de outras vidas

Abro a janela do quarto e, vejo a chuva... banhando a terra, as árvores, saciando a sede dos pássaros e, alí, enxergo a alegria que se propaga lentamente, sinto o perfume da pureza no ar. Entre as gotas de orvalho há relampejos de outras vidas, lágrimas, sorrisos, saudade.

Abro a janela ao amanhecer e, ele está lá, esplendido e imponente, clareando o caminho, amado sol, sigo em frente. Da minha janela, te vejo, te enxergo, te noto, te observo.

Meu cajueiro, teu espírito é forte, e como você, sigo para ser livre, sendo um dia semente e, no outro uma linda árvore, e assim, como eu, somos sobreviventes. Como num cântico sagrado quero em teus ganhos me aninhar, me sentir amada por ti.

Narrativas

INfluxo
Claudia Costa
Claudia Costa Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você