[ editar artigo]

"Medos"

Quando hoje eu acordei,

Senti uma sensação ruim,

Talvez pelas notícias que escutei,

Criando medos em mim.

 

Medo de sair pra trabalhar

E com o desemprego encontrar.

Medo de uma viagem fazer,

Podendo o terrorismo acontecer.

 

Medo de cumprimentar gentilmente,

Já não conheço esta gente.

Medo de dar um abraço amigo,

Será que não existe perigo?

 

Medo de mandar os filhos pra escola,

Seqüestro e as drogas que as vezes rola.

Medo de a mulher, sozinha sair

E num assalto cair.

 

Medo de não mais saber votar,

Em quem devo confiar?

Medo de adoecer,

O hospital vai me atender?

 

Como pode a convivência?

Com tanta violência!

Estes medos estão demais,

Precisamos viver em paz!

 

Percebi que eles, não são só meus,

São também os seus

E que, a nós do planeta consomem,

Tendo a culpa, o próprio homem.

 

Então, com fé devemos rezar,

Esperando a hora dEle voltar

E a todos, de novo ensinar,

Que a solução destes medos, é amar.


 Antônio de Pádua Elias de Sousa

 29/10/03

Narrativas

INfluxo
Antônio de Pádua Elias de Sousa
Antônio de Pádua Elias de Sousa Seguir

Natural de Formiga-MG, formado em Administração de Empresas, membro da Academia Formiguense de Letras, 18 livros escritos, sendo 1 com registro de ISBN e Biblioteca Nacional e, o restante nas plataformas digitais da Amazon, Clube de Autores e Perse.

Ler conteúdo completo
Indicados para você