[ editar artigo]

Eternamente amor

Eternamente amor

Ontem, hoje, anseios invadem minha alma triste

Uma nostalgia me toma, invade, vive e persiste

Tristezas tomam minha mente que por amor chora

Alvitres belos dos perfeitos momentos de outrora

 

O querer resiste, mas não subjuga a melancolia

A nebulosidade segue e nada retoma minha alegria

Malgrado os sentimentos que hoje se conflitam

Peço, acalanto, imploro que vocês me permitam

 

Descrever o retrato de um amor que partiu

Fazendo minha existência triste, assim sucumbiu

Um coração que um dia bateu no peito da amada

Agora bate e doí diante de uma partida inesperada

 

Como mensurar um amor que era minha vida

Como aceitar a dor que hoje materializa a ferida

Seu mero sorriso me fazia feliz e pleno de coração

Para você gritei meu amor na mais bela canção

 

Fomos felizes, saiba, aonde quer que esteja você

Que foi minha luz, minha magia e eterno bem querer

Se meus prantos são hoje incompreendidos assim

É porque não viram seu majestoso sorriso para mim

 

De compasso em compasso ainda bate meu coração

Quando em todas as luas canto a nossa bela canção

Que falar de amor, de viver, momentos de felicidade

Que exalta você nos meus braços, durante a eternidade

Narrativas

INfluxo
Ricardo Alves de Souto
Ricardo Alves de Souto Seguir

O Autor tem uma extensa carga cultural. Poeta por essência, escritor, advogado renomado e político são algumas das carreiras desse talentoso escritor que hoje conta com 52 livros publicados.

Ler conteúdo completo
Indicados para você