[ editar artigo]

Carta da Água

Carta da Água

Oi gente!!!! Quem manda essa carta para vocês sou eu, a Água!

Vocês já imaginaram que receberiam uma carta da Água? Acho que não né? Mas aproveitei essa ideia genial da mamãe Terra pra pedir uma ajudinha pra vocês.

Ultimamente ando triste... chateada... com a cabeça meio quente porque andam me maltratando muito. Jogando tudo que é sujeira em mim.

Eu até sou bem legal, mas quando fico de cabeça quente, eu rodo a baiana e crio furacões e arrasto tudo o que vejo pela frente, sabe?

Mas eu não queria estar assim nervosa, nem chateada porque, na verdade, é da minha natureza ser calma e tranquila!

Pra provar pra vocês que eu sou realmente muito legal, vou contar uma breve história sobre como vim parar aqui nesse planeta e tudo o que aprendi a fazer.

Nasci nesse planeta há bilhões e bilhões e bilhões de anos, quando a mamãe Terra me criou pra, juntas, criarmos muitas novas vidas e povoar esta galáxia. Topei na mesma hora!

Durante muito tempo, eu corri livre pelo planeta, cresci e fiquei forte.

Aprendi a ter muitas habilidades! Sei fazer um monte de coisas muito legais. Querem saber?

Hummm... eu sei, por exemplo, me congelar e, depois, me derreter.

Sei também evaporar, ferver e... o mais legal de tudo vocês nem adivinham...

Rá! Eu sei chover!!! Sim, sou mesmo uma água genial!!!

Por saber fazer tanta coisa, eu acabei criando uma brincadeira chamada de Ciclo Hidrológico.

Annnn... tá, tudo bem... o nome é meio estranho, mas brincar de Ciclo Hidrológico é muito legal.

É mais ou menos assim:

Tudo começa na minha casa, que se chama Oceano. Passo a maior parte do tempo lá, tranquilona... mas, quando me dá aquela vontade de brincar, eu chamo meu superamigão Sol e a diversão então começa...

Meu amigão sol é muuuuuuito gente boa... além do mais, ele é bem quentinho e, por ser assim tãaaaaaaaaaaao quentinho, ele me faz evaporar...

Evaporar é tipo assim... eu estou ali só no vai e vem das ondas do oceano, na minha forma normal líquida, aí, com o calor do meu amigão sol, eu começo a flutuar em forma de vapor... mas isso vocês vão aprender melhor mais na frente...

O importante é que, quando evaporo, eu saio de casa para dar umas voltinhas pelo Planeta... e, como não sou boba, pego uma carona com um outro amigo, o AR... que também adora se fantasiar de Vento. É a brincadeira preferida dele.

Eu até gosto do Vento mas acho ele um pouco “doidinho”, sabe?

Às vezes, me empurra calmo e tranquilo, e, às vezes, vem com toda a força me empurrando feito maluco. Acho que ele é meio tan tan da cabeça. Mas o importante é que ele é muito legal e divertido.

Bem, mas voltando à brincadeira do Ciclo Hidrológico, eu fico ali surfando com o Vento... até que, de vez em quando, eu dou de cara com uma montanha.

Sim, as Montanhas fazem parte da “turma do solo”. Ai... ai...

Quando esbarro numa montanha eu começo a chover só pra escorregar montanha abaixo.

Ahhh, as Montanhas são verdadeiros tobogãs gigantes.

Quando não tem Montanhas e eu fico cansada de surfar, aí eu apenas paro num lugar qualquer e chovo! Aí é friozinho na barriga de queda-livre!!! Muito Radical!!!

Aí vem a melhor parte... Quando chovo, eu caio derretidinha sobre o Solo (sim o chão, a terra, sabe?). Ele é meu grande amor sabiam? Ah, como eu amo o Solo em todas as suas camadas e horizontes!!!

Assim que eu caio, ele me recebe de poros abertos e somos muito felizes juntos. Antes ele existia em todos os lugares. Sinto saudades desses tempos.

Quando eu caia e ele imediatamente me abraçava. Um amor lindo de onde brotaram muitas vidas: as flores, as árvores, os frutos que quando cresciam viravam lindas florestas.

Por mim eu ficava lá no solo pro resto da vida. Mas... de vez em quando eu preciso correr de volta pra casa (o Oceano).

Às vezes, vou fluindo lentamente pelo subsolo e às vezes, em situações de emergência, eu corro deslizando em forma de rio até o mar. Assim, eu fecho o Ciclo Hidrológico e acabo a brincadeira.

Depois de um tempo, quando a saudade bate, começo tudo de novo com meus amigos Sol e Ar.  Sim! Vida de Água é uma aventura eterna!

No passado, enquanto eu brincava com meus amigos e com meu grande amor Solo, a vida no Planeta Terra foi crescendo. Passamos por muitos tipos de espécies e Gaia (lembra da Mãe Terra?) ficava muito feliz vendo a vida prosperar.

Foi assim que surgiram vocês, os humanos! Que criaturas fantásticas!

Tudo bem que Mamãe Terra exagerou um pouco na inteligência e esqueceu de dar a vocês um pouco mais de independência. Afinal, enquanto os outros animais aprendem a caminhar no mesmo dia em que nascem, vocês levam pelo menos 1 ano para fazer isso. (risos)

Vocês humanos cresceram e se desenvolveram e passaram a nos conhecer: eu, a Água, meu amor Solo, meus amigos Sol e Ar... além do tímido Fogo!

Passaram a descobrir e criar tudo no mundo. Se multiplicaram numa velocidade assustadora e talvez tenha sido por isso que tudo começou a desandar, sabe?

Com tanto conhecimento, pensaram que podiam dominar a Natureza e todos nós, seus elementos.

Começaram a me trancafiar, transportar, engarrafar, poluir com plásticos e mais plásticos a minha casa (o Oceano).

Ao meu amor Solo, começaram a contaminar, sufocar, asfaltar...

As nossas filhas Florestas começaram a arrancar, derrubar, queimar... e aos animais começaram a caçar e matar...

E é por tudo isso que comecei essa carta dizendo que ando triste e de cabeça quente, sabe?

Triste porque, toda vez que tento encontrar meu amor Solo nas cidades, ao descer chovendo, só encontro uma camada cinza escura e quente que vocês chamam de asfalto... sei que o Solo está lá embaixo, mas não consigo mais encontrar com ele.

Choro e escorro pelas ruas. Choro porque não encontro mais meu amor. Choro também porque todos os rios estão poluídos, contaminados. De tanto chorar, pode ser que um dia eu vá embora e então o Planeta não terá mais Água.

Mas ainda tenho esperança! E acho que vocês podem me ajudar!

Acredito que só vocês, as crianças, podem mudar toda essa história e me ajudar e ajudar também a Mamãe Terra. Vocês topam?

Que tal escreverem uma cartinha para mim? Ou para a Mamãe Terra? Ficaríamos bem felizes de saber que vocês ainda gostam da gente!

Vou ficar esperando, tá?

Ahhh, e a Mamãe Terra também contou pra gente que só vocês são capazes de nos ouvir. Então, que tal usar esse superpoder pra contar todas essas histórias também pros adultos, pra que eles também voltem a nos ouvir?

Um beijão bem na testa de cada um de vocês!

Com muito amor,

A Água

 

Autoria: Magda Helena Maya
@magdamaya_

Narrativas

INfluxo
Magda Maya
Magda Maya Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você