[ editar artigo]

ALGEMAS

ALGEMAS

Passa o tempo

tempo passa,

toma assento

toda a massa.

Passa o tempo

 forte avança,

povo fraco

na ignorância.

 Passa o tempo

o forte ganha,

povo covarde

só apanha.

Passa o tempo

 que não se rende,

maldito o homem

que não aprende.

Passa o tempo

chove agora,

 chora o povo

sem memória.

Passa o tempo

tempo e história,

faz a história

a escória.

Passa o tempo

fim do burgo

e o pária

não expurgo.

Passa o tempo

cai a folha,

o ignorante

faz a escolha.

Passa o tempo

corre o vento,

sofre o homem

sem alento.

Passa o tempo

roubam a calma

faz a escolha

um eu sem alma.

Corre o tempo,

olhos vendados.

Sem justiça

morre o Estado.

Voa o tempo,

segura a balança,

necrosa o velho,

morre a criança.

Some o tempo

rompe a balança

segura a espada

símbolo da vingança.

Sem mais tempo

morre a história,

sem justiça

prolifera a escória.

Cresce a escória

morre a Paz,

no sepulcro

a Lei jaz.

Tempo passa,

tempo passou.

Só destroços

que restou.

 

Poesia censurada em 2014 em virtude de ter sido em homenagem aos políticos brasileiros e ao STF às vésperas das eleições. Posteriormente, em 2019 foi selecionada no Concurso de Poesias do COVIL DA DISCÓRDIA.

 

 

 

 

 

 

 

Narrativas

INfluxo
Vana Miletto
Vana Miletto Seguir

Poeta e escritora. Membro da academia Internacional de Literatura Brasileira, cadeira 36; Membro da Academia Itapetiningana de Letras, Academia Luminescência Brasileira e Academia Literária do Clube da Poesia Nordestina. Autora de diversas obras.

Ler conteúdo completo
Indicados para você