[ editar artigo]

A tristeza e o amor

A tristeza e o amor

E eu que estava triste, não mais discernia a beleza

Da vida, do sol, da lua, das flores em plena natureza

Eu que já não acreditava na alegria, essência do viver

Hesitava sobre o amor, a razão de um novo florescer

 

Já não podia ser amado, esvaindo o imo de sonhar

Na suntuosidade dos sentimentos, não podia amar

O bálsamo das melhores fragrâncias eram indolentes

O anseio do mais delicado doce não alegrava a mente

 

E quando pranteava, o coração fenecia em tênues colisões

E ao dedilhar as mais belas notas não mais amava as canções

Já imerso na melancolia, me restava dolentes lamentos

Semelhava o fim de uma mente brilhante, dos sentimentos  

 

Quando a vi, cabelos anelados, sorriso maroto, tudo mudou

Instante em que o amor germinou, acendendo o coração, sem dor,

Divina, imensurável era sua beleza, seu cerne, sua natureza

Logo a amei, meu coração sorriu, já não havia mais tristeza  

Narrativas

INfluxo
Ricardo Alves de Souto
Ricardo Alves de Souto Seguir

O Autor tem uma extensa carga cultural. Poeta por essência, escritor, advogado renomado e político são algumas das carreiras desse talentoso escritor que hoje conta com 52 livros publicados.

Ler conteúdo completo
Indicados para você