[ editar artigo]

A morte da mata

A morte da mata

                        A terra treme quando a garra enorme

                        Lhe arranca a pele, num andar constante

                        Da esteira bruta, que caminha informe,

                        Na mata verde, que cai soluçante...

 

                        A brisa passa, mas hoje está triste,

                        A verde mata está ressequida.

                        O mar de folhas já não mais existe.

                        A mata inteira já tombou sem vida...

 

                        A seriema que cantava perto

                        Nas manhãs lindas de sol escaldante,

                        Ao ver a mata virar um deserto,

                        Triste e sem graça, foi cantar distante...

 

                        O beija-flor, o silencioso amante,

                        Que as flores todas, beijava e amava,

                        Voou tristonho, p’ra local distante:

                        Morreu a mata que tanto gostava...

 

                         A madrugada que molhava a mata,

                         Com os seus beijos em forma de orvalho,

                         Ficou sentida, pois da grande mata,

                         Sequer deixaram um pequeno galho...

 

                         A lua cheia que brilhava à noite

                         Na nuvem negra ficou escondida,

                         Triste e chorosa, ficou de pernoite

                         Olhando a mata que está destruída...

 

                                                     Nelson Jacintho

 

 

Narrativas

INfluxo
Nelson Jacintho
Nelson Jacintho Seguir

Sou médico formado pela USP, tenho, até agora, 14 livros publicados, dentre eles, textos sobre medicina, poemas, crônicas, ensaios, romances e contos para adultos e crianças.

Ler conteúdo completo
Indicados para você