[ editar artigo]

A cor da pele mata

A cor da pele mata



Pisam no nosso pescoço
Trancam nossa respiração
Batem nos nossos corpos
Atiram eles no chão

A polícia virou Capitão do mato
Perseguem, batem, matam
Depois averiguam os fatos
Sempre do mesmo jeito
Muda o país, a cidade, mas...
Nasceu preto? É suspeito

Há quem diga que a escravidão acabou
Em um papel branco
Uma princesa branca nos "libertou"
só esqueceram de dizer quando
Quando vão parar de nos matar
Quando vão parar de nos silenciar?

A paciência acabou, a revolta é nossa aliada
Em cada canto um quilombo será construído
As senzalas serão queimadas
o povo preto cada vez mais unido

Por mais que tentem nos sufocar
Por mais que tentem nos matar
Por mais que tentem nos calar
Sempre sobrará um de nós para contar
A nossa história
Nossas memórias...
Sempre haverá um de nós para lutar

Sabemos de onde viemos
Sabemos da nossa ancestralidade
E assim vamos pouco a pouco
Mudando nossa realidade
Juntos
Cada vez mais fortes
Sempre fomos
Sempre seremos
RESISTÊNCIA!

Fabiana Souza

https://www.instagram.com/tv/CH1Gxchgk_v/?utm_source=ig_web_copy_link

https://www.instagram.com/tv/CH1Gxchgk_v/?utm_source=ig_web_copy_link

 

Narrativas

INfluxo
Fabiana Souza
Fabiana Souza Seguir

Mãe, contadora de histórias e poeta nas horas vagas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você