[ editar artigo]

A bebida alcóolica e alguns motivos que me mantém longe dela há 5 meses

A bebida alcóolica e alguns motivos que me mantém longe dela há 5 meses

Eu lembro da primeira vez que bebi, a bebida foi vodka e refrigerante. Talvez a primeira favorita dos recém jovens-adultos que passaram a ter acesso nas festas dos outros amigos jovens-adultos. No meu tempo pelo menos,  — imagine um indicador levantando e uma voz de velhinho — era assim.

Uma particularidade dessa minha história é que eu já tinha 20 anos quando isso aconteceu e foi uma escolha totalmente minha. Eu tive inúmeras outras oportunidades antes disso (inclusive quando ainda era menor de idade) e recusei sem muita luta. Não sei o que me fez sempre ter essa noção de autorresponsabilidade, mas sempre acreditei que boa parte das experiências que eu tenho na vida precisam sempre primeiramente passar pelo lugar da reflexão antes ser concretizada. Aí eu já entreguei que tenho tendência a pouco me deixar levar pela impulsividade, né?

Nesses seis anos sendo uma pessoa que assumia que bebia e nunca recusou um convite pra uma cervejinha em qualquer barzinho de esquina ou calçada da rua, eu percebi, aos poucos, que era hora de parar. 

Tem mais ou menos dois anos que eu passei a me considerar budista, vejo que uma das coisas que eu mais relevei foi o quinto preceito de que não se deve ingerir substâncias intoxicantes, desde um incidente que tive com drogas, que posso falar em outro momento, também passei a refletir mais sobre a necessidade da bebida alcoólica na minha vida.

No meu ponto de vista, a bebida já não fazia mais tanto sentido para o caminho que estou seguindo. O que quero dizer é que: a bebida servia para mim como uma moeda de validação das pessoas que eu estou próximo. Sempre tive dificuldade de estar me expressando publicamente e percebi que estava usando a bebida para conseguir atingir certo nível de clareza emocional para "estar no clima" de um lugar.

Perceber isso tem feito com que eu comece a refletir mais em buscar meus meios de estar sendo validado ou acolhido pelas pessoas ao meu redor. Principalmente para entender o que me faz ser quem eu sou e quem tenho esperado me tornar.

Narrativas

INfluxo
Diego Malva
Diego Malva Seguir

Graduando em Licenciatura em Teatro na Universidade Federal do Amapá. Sou Artista, escritor e podcaster, escrevo buscando perspectivas plurais e valorização de experiências pessoais, principalmente aquelas que quebram barreiras de comunicação.

Ler conteúdo completo
Indicados para você