[ editar artigo]

Catedral (Banda Porteira Elétrica)

Catedral  (Banda Porteira Elétrica)

Catedral 
(Fabrício Manca)

Um brinde aos loucos, aos roucos e poucos 
Que mancham minha taça com vinho
Um brinde aos lobos, essa matilha de tolos
Que espalham migalhas de sonhos pelo caminho 

Me esquivando da luz sou um caco sem cor no vitral
Meu grito é abafado pelos sinos da Catedral
Sou a sombra que deixa os amores fugir pelas mãos 
Minha lágrima triste é tão forte! Rasga os degraus do escadão

Um brinde aos loucos, aos roucos e poucos 
Que mancham minha taça com vinho
Um brinde aos lobos, essa matilha de tolos
Que espalham migalhas de sonhos pelo caminho 

Me voltando ao que amo me torno uma estátua de sal
Mas sou tão pecador quanto os santos da nave central 
Eu recolho as migalhas que os lobos espalham no chão 
Eu faço um mosaico de sonhos... Taças nas mãos!

Um brinde aos loucos, aos roucos e poucos 
Que mancham minha taça com vinho
Um brinde aos lobos, tão roucos, tão poucos!
Por favor, não me deixem morrer no sonho sozinho!


 

Música

INfluxo
Fabrício Manca de Souza
Fabrício Manca de Souza Seguir

Aspirante a músico, poeta e compositor, membro da ALLA (Academia Leopoldinense de Letras e Artes) em Leopoldina - MG, procuro através do meu trabalho compartilhar inspirações e emoções.

Ler conteúdo completo
Indicados para você