[ editar artigo]

Entre o Amor e a Dor: Luto Materno

Entre o Amor e a Dor: Luto Materno

Quando um filho nasce, nasce junto com ele uma mãe

Quando um filho morre, para onde vai essa mãe?

A maior dor do mundo, assim é descrito o luto materno, segundo especialistas, além de uma ruptura com a pessoa amada o luto materno também caracteriza o fim de um modo de vida e o início de um processo de ressignificação. O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) descreve o luto como anseio intenso ou saudades da pessoa falecida, tristeza e dor emocional. Trata-se de um processo individual, mesmo assim é possível apoiar quem está passando por isso.

 Foi na busca por informações para entender esse processo que Priscila Rapachi, mãe de quatro crianças, Isaque, Larissa, Israelle e Israel, hoje reverbera aquilo que aprendeu e continua aprendendo após perder os filhos Isaque e Israelle.

Israelle recebeu o diagnóstico de incompatibilidade com a vida ainda no ventre de Priscila, uma má formação congênita no coração a impediria de continuar vivendo, mesmo diante do diagnóstico, Priscila e o marido, Roberto Santos, optaram por levar adiante a gestação e receberam o apoio de familiares e amigos.

Na nossa família todos têm essa concepção de que a vida é um dom divino e não nos caberia tomar uma decisão assim. […] A gente sabia que ia passar pela perda, mas que não fosse causada por nós, que fosse no tempo que tivesse que ser

Foi neste período que Priscila buscou apoio e informação em grupos de Facebook e blogs com outras mães que estavam passando ou passaram pelo mesmo que ela, a dor de saber que um filho não conseguiria viver.

Eu tinha uma necessidade de saber como era passar por aquilo. Acho que como uma forma de tentar tornar mais suportável, a gente tem essa tendência. […]Foi importante ouvir aquelas histórias, conhecer aquelas outras mães, conhecer outras crianças.

Em meio a tanta dor, uma tragédia aconteceu durante um fim de semana em família, Priscila, ainda grávida de Israelle, perdeu o filho mais velho, Isaque, então com 9 anos. Ele estava acompanhado enquanto se divertia em um rio, mas subitamente desapareceu e foi encontrado sem vida.

Continuação da matéria: 

https://alykemvoce.wordpress.com/2021/06/27/entre-o-amor-e-a-dor-luto-materno/

Jornalismo

Ler conteúdo completo
Indicados para você