[ editar artigo]

Se abrir para o mundo, é sempre um novo parto

Se abrir para o mundo, é sempre um novo parto

Se engana quem pensa que nascemos apenas uma única vez. Desculpe, mas o nascimento biológico é apenas a faixa 1 deste grande set list que a vida pode se tornar se e apenas SE nos dispormos a vivê-la.

Na pandemia precisamos todos nos reinventar... e por que não, renascer...? Pessoalmente, este período significou grandes perdas com meu universo social, mas grandes reencontros e descobertas com quem eu sou. Os grandes pensadores do existencialismo humano são categóricos ao afirmar que nos momentos de transformação da história, a sociedade mostra sua face... a sua real face... e as coisas tendem a ficar mais transparentes. E como ficaram, não é amigos!? 

O tapa da realidade sempre é doloroso, vem devagar e se mantém a espreita como uma sombra... morrendo de vontade de se sobressair e se jogar em cima de você com toda a força. Contudo, é um tapa bom, pois te desperta, te abre os olhos... e você passa por um novo parto... aquele que te joga pra fora de uma nova bolha. Bolha essa que não é mais física, mas sim psicológica. Você desnuda tuas utopias e 'cai na real'. Isso acontece principalmente com o meio social que te cerca... os "ismos" que você achava que estava seguro, pois aqueles que você considerava amigo e próximo, eram "diferentes" e não pensavam como essa maioria estranha... Mas vem a pandemia e:

"poww"... um socão na sua cara! E toda a obscuridade guardada a sete chaves no interior da consciência dos "seus", vem a guela abaixo... 

Não, você não é obrigada a conviver com certas coisas... você não pode aceitar injustiças e desumanidades apenas porque essas bizarrices agora vêm de pessoas que antes você considerava amigos... A pandemia vem pra isso também... pra te abrir os olhos! É uma sanidade que se disfarça de loucura para testar do que você é feito! Testar sua capacidade racional e não passional... oras... independente do que te fizerem, é você que controla o que fica ou o que vai da sua vida. Somente você tem este poder. E compreender a interpretar as conjecturas é essencial... Sim, precisamos ter outras pessoas ao nosso redor, afinal, não somos nada se estamos sozinhos. Mas, podemos escolher com mais cautela quem fará parte deste percurso na nossa presença.

O Covid-19 é um vírus... mas quantas pessoas por aí não matam mais a gente por dentro do que muito vírus? Quais são as máscaras que nos defendem deste tipo de mal? Te respondo: a autonomia da sua vida... aprender que as amizades podem ser prejudiciais... que você jamais vai conhecer completamente uma pessoa... que as amizades, assim como os amores, podem ser erros que, com o tempo, vão se transparecendo mais e mais. E não tem nada de errado nisso!!! As pessoas mudam... umas passam por novos nascimentos... outras se abortam... é o fluxo da vida. Se guarde, se conheça... se compreenda... entenda seus limites e respeite os limites dos outros. Saber se retirar de cena é essencial. 

A pandemia veio, para além de tudo, mostrar que precisamos de limites... para com os outros (da necessidade de isolamento) e para conosco mesmos (necessidade de autoconhecimento). Permitam-se às dores de novos partos e respirem o porvir. Vai ficar tudo bem se assim você quiser e decidir. 


 

INfluxo
Cristiane Roberta Xavier Candido
Cristiane Roberta Xavier Candido Seguir

Sou professora formada na área de Filosofia, tenho um programa de webrádio chamado Programa Alô Alô Marciano pela Kula Webrádio na cidade de Toledo/PR, participo do Conselho Municipal de Políticas Culturais deste mesmo município e sou agente cultural

Ler conteúdo completo
Indicados para você