[ editar artigo]

Quarentena séria? (Ou: A peça que ainda não montei com meus amigos)

Quarentena séria? (Ou: A peça que ainda não montei com meus amigos)

1.

(Quando o isolamento era algo sério) Um grupo caricato combina uma reunião por vídeo chamada no Zoom. Leonardo, o anfitrião, já está na sala online, câmera aberta. Espera enquanto os demais se conectam. Wagner e Hugo são os primeiros a abrirem suas câmeras.

LEONARDO: E aí gente? Parem de timidez! Como vocês estão de quarentena?

WAGNER: Querendo ir no bar. Não dá pra beber álcool em gel, cara.

LEONARDO: E você já tentou?

WAGNER: Beber álcool em gel?!

LEONARDO: Ir no bar!

WAGNER: Ah, já. Rodei de moto por aí. Todos fechados e sem previsão pra voltar.

HUGO: (para Wagner) Querido, eu era assim também.

WAGNER: Lá vem...

HUGO: Não, sério. Eu vivia nos bares. Quando encontrei Jesus, me libertei disso. Mas hoje entendo que não era só uma questão de bebida...

WAGNER: Era a irmandade!

HUGO: Isso!

WAGNER: A maior das abstinências, irmão. Bebida a gente vai no mercado e compra. Agora esta manifestação aqui... eu quero muito viver isso.

LEONARDO: Que bom! Convoquei as pessoas certas então!

Karen abre sua câmera.

KAREN: Vocês estavam falando sobre ir no mercado? Eu não paro de ir no mercado! Se fecharem os mercados o povo aqui de casa morre. Eles comem horrores! Sabem aquelas visitas chatas que nunca vão embora? Então.

LEONARDO: Fala pra eles maneirarem. Ficar só em casa, comendo e sem exercício dá ruim pra saúde...

KAREN: Você precisa me ver na cozinha, nunca antes fiz tanto exercício! Ah, tô cansada disso tudo.

LEONARDO: Mas você vai com a gente, né?

KAREN: Claro! É só falar pra família aqui que vou no mercado. É assim que consigo sair sem suspeitas. Mas, sério, posso ir no mercado e comprar algumas coisas complementares...

LEONARDO: A gente tá bem abastecido. Acho que não falta nada.

KAREN: Sempre falta alguma coisa, vai por mim.

WAGNER: O que tá faltando é esse povo entrar na reunião!

LEONARDO: Calma, Wavá.

WAGNER: Eu já queria ir agora!

Eliana abre sua câmera.

ELIANA: Oi, gente.

WAGNER/LEONARDO/KAREN/HUGO: Olá/Bem-vinda/Tudo bom?/Bom te ver...

ELIANA: Tudo bem. Olha, obrigada pelo convite. Eu sempre quis participar de algo assim, mas com a rotina de antes... não tinha como... e... nossa... vocês sabem como me emociono fácil... desculpem...

WAGNER/LEONARDO/HUGO: Não, não chora/Você tem um bom coração/Não fica assim...

KAREN: Eu me emociono também, viu. Sempre que vejo a louça que acumula aqui em casa fico com vontade de chorar.

WAGNER/LEONARDO/HUGO: É a vida/Complicado/Normal/Acontece...

Gisele abre sua câmera.

LEONARDO: (para Gisele) Ei você, bem?

GISELE: Não. Não mesmo. Acho que meu coração parou de bater de tanto tédio.

HUGO: Até um tempo atrás eu era assim também. Mas então encontrei Jesus e --

WAGNER: Meu Pai!

LEONARDO: (para Gisele) Logo você se anima, prometo. Se não acontecer, garanto o seu dinheiro de volta.

GISELE: Não me façam querer cortar os pulsos, hein!

ELIANA: Ai, não fala essas coisas...

WAGNER: Aqui não é rede social. Fica tranquila.

KAREN: Vocês são muito dramáticos. Vão limpar as hélices de um ventilador pra verem o que é difícil de verdade!

Miguel abre sua câmera. Tem um estoque de papel higiênico e máscaras e luvas por perto.

MIGUEL: Oi.

WAGNER/LEONARDO/HUGO/ELIANA: Opa/Demorou mas chegou/Firme e forte?/Como vai?

MIGUEL: Eu tô mais ou menos. Com um resfriado, talvez. Tanto que acho que não vou com vocês.

WAGNER/LEONARDO/HUGO/ELIANA: Não, para/Você vem sim/Como assim?/Aconteceu algo grave?

MIGUEL: É melhor não. Mas queria aproveitar e recomendar alguns remédios pra vocês. Descobri um que é ótimo pra visão turva.

KAREN: Ei, onde você comprou esse estoque de luvas aí?

MIGUEL: Isso aqui?

KAREN: É, é. Acho que tá em falta aqui em casa. Mesmo que não esteja, vou pôr na lista aqui...

MIGUEL: Então, nem lembro. Isso aqui é do meu estoque da época da Febre Amarela. Ou da Gripe Suína? Não lembro. Sobrou bastante. Mas é sempre melhor pecar por exceção do que omissão, não é?

HUGO: Na verdade, melhor é não pecar.

GISELE: Nossa, vou procurar uma navalha...

MIGUEL: Seja pro que for, esteriliza!

ELIANA: (para Gisele) Não! Não faça isso!

MIGUEL: Se não esterilizar, pode dar doença.

WAGNER: Leonardo, o dinheiro que você ia devolver pra ela, passa pra mim!

LEONARDO: Falei no sentindo afigurado.

KAREN: O certo é "figurado".

LEONARDO: Afigurado, isso.

KAREN: Não!

MIGUEL: É desfigurado?

HUGO: Bem-aventurado?

WAGNER: Ô saudade do barman que me fazia fiado...

GISELE: Vocês ensaiaram isso, não é possível.

LEONARDO: Não tô entendendo é nada.

WAGNER: Eu falava do dinheiro.

LEONARDO: Não, então, não tem dinheiro. Aliás, tem. Mas o dono do dinheiro não entrou ainda. Olha gente, acho que vou começar sem ele...

GISELE: Ah, ele... Sempre atrasado. Desde a época do colégio...

WAGNER/LEONARDO/KAREN/MIGUEL/HUGO: Verdade/Era incrível/Toda hora/Outro fuso/Teste de paciência...

ELIANA: Mas será que tá tudo bem com ele?

Anderson abre sua câmera.

ANDERSON: Olá, pessoal. Já começaram?

WAGNER/LEONARDO/KAREN/MIGUEL/HUGO/GISELE: Finalmente/Demorou/O impossível só demora mais um pouco pra acontecer/Quase um milagre/Chegou cedo pra amanhã...

ELIANA: Estávamos todos preocupados.

WAGNER/LEONARDO/KAREN: Não é assim também/Não usaria essa palavra/Estávamos?

ANDERSON: Desculpa. Fiquei preparando tudo aqui, essas coisas levam tempo. Mas, ó, será uma ação e tanto! Só que tem uma coisa... isso aqui é um movimento secreto. Uma operação secreta. Super secreta. Para dar certo todos tem que ter em mente o quão secreto é.

WAGNER: Se você falar "secreto" mais uma vez, a Gisele corta os pulsos.

GISELE: Total.

ANDERSON: É pra enfatizar que vocês não devem sair por aí falando. Não postem nas redes antes do tempo certo. Até onde o Leo organizou vocês? Ele já explicou tudo, né?

WAGNER/KAREN/MIGUEL/HUGO/ELIANA: Explicou?/Foi antes de eu chegar?/Não ouvi/Só enrolação/Acho que não deu tempo...

LEONARDO: Não, calma aí! Eu tô aqui tentando arrumar tudo, mas ninguém chega no horário! Todo mundo fica falando coisas aleatórias! Se for assim, não vai dar certo! Eu aqui dedicado com esse corre, motivado, cheio de gás --

MIGUEL: Conheço um remédio que é perfeito pra gases!

LEONARDO: Eu falei no sentido afigurado!

KAREN: Fi-gurado!

WAGNER: Papo Furado?

ANDERSON: Provavelmente censurado.

HUGO: Tem a ver com peixe dourado?

KAREN: Só pra quem tem paladar apurado.

WAGNER: Ô saudade dos meus camaradas que não valem um tostão furado!

GISELE: É, vocês ensaiaram isso. E não me avisaram! Vocês me pagam...

WAGNER: Vê com Anderson, ele que é o senhor entesourado.

ANDERSON: Na verdade, tô apertado de grana por causa do meu doutorado.

LEONARDO: Quer saber!? Quando quiserem falar sobre o esquema me chamem! Cansei disso! Credo. Era igualzinho na escola. Um trabalho em grupo era tipo o fim do mundo. Gente louca. Sai fora. Nem sei porque achei que ia dar certo. Vou tomar um açaí. Se matem aí.

Leonardo sai da frente da câmera.

TODOS EXCETO LEONARDO: Vish/Ficou bravão/Cê viu?/Estresse extremo/Exercício é bom pra isso/Manda mensagem pro cara/Faz tempo que não tomo açaí/Deu ruim/Tô chamando ele/A culpa é sua/Não, é sua/É de vocês/Chama ele de volta/Volta/Volta!/Volta!/VOLTA, VOLTA, VOLTA, VOLTA!/E como é que é!?/VOLTA, VOLTA, VOLTA, VOLTA --

Leonardo... volta!

TODOS EXCETO LEONARDO: -- AÊÊÊÊÊÊÊ!

ELIANA: Fica com a gente que vamos escutar tudinho! Todo mundo aqui quer muito fazer isso!

MIGUEL: Então --

GISELE: Shh! Todo mundo vai.

LEONARDO: Beleza. Então é assim...

 

2.

O grupo acabou de ouvir o plano de Leonardo.

LEONARDO: O lance é que uma maratona dessas... sozinho a gente fica meio desanimado. E uma coisa que eu sei é que quando junta três, logo junta mais três, e por aí vai aglomerando. Num instante anima. Aí conversando com o Anderson, descobri que ele tem os recursos. E pensei: "por que não"?

ANDERSON: Tenho o dinheiro de uma antiga doação, e ao invés de aplicar essa grana no fundo partidário, queria usar agora, já. Mas preciso de articuladores, de gente que aceite ir pra rua fazer acontecer, entendem?

Silêncio.

LEONARDO: Gente, que timidez é essa agora?

ANDERSON: Eles estão chocados com a nossa ação secreta.

LEONARDO: Comentários, alguém?

ANDERSON: Manifestações, protestos, inclinações...

ELIANA: Eu tenho um comentário... mas tô tão emocionada com tudo isso que não consigo nem falar --

WAGNER: Eu acho que a gente podia ir já!

GISELE: Concordo! (sai da frente da câmera) Já volto, só um momento.

WAGNER: Calça o tênis pessoal, bora! Vou até levar uma caixa de som. Vamos passar uma mensagem em alto tom!

LEONARDO: Então, ali perto eu costumava fazer meus cinco quilômetros... sei que pode ter problema com som.

ANDERSON: O policiamento lá é opressor?

LEONARDO: Pode ser que não gostem.

WAGNER: Você tá falando que as autoridades chegam na porrada se ver aglomeração e som alto, é isso?

LEONARDO: Por aí.

WAGNER: Então é lá mesmo que a gente vai!

ANDERSON: Calma. Temos que ver direito o que pode e o que não pode. Lembram, é uma operação secreta e não podemos já ir -- (interrompido pelo som de coisas caindo) Que foi isso?

GISELE: Minhas panelas caíram. Quer saber, não vou pegar elas do chão. Dane-se. (volta pra frente da câmera) Desculpem meu francês. Bah, desculpem nada. A louça de vocês também se multiplica?

KAREN: Muito!

GISELE: É um horror!

KAREN: Um pesadelo!

GISELE: Você deixa um copo ali de canto e de repente é um copo e dois pratos!

KAREN: E quando você lava dois pratos e de repente aparece uma fôrma e cinco tigelas?

LEONARDO: Vocês estão falando no sentido afigurado, né?

GISELE/KAREN: NÃO!

LEONARDO: Ué...

KAREN: Então... Gente, as panelas! Elas estão em promoção aqui no mercado!

ANDERSON: Eles têm panelas lá onde a gente vai, Karen. Não precisa comprar.

KAREN: Tem certeza?

ANDERSON: Muita certeza.

KAREN: Quanto de certeza?

ANDERSON: Estou bastante certo. Noventa e nove por cento de certeza. Nunca antes estivesse tão certo. Na verdade, não existe certo ou errado, existe apenas o fato. E o fato é que eles têm panelas. E isso é certo. De modo que tenho plena certeza. Entendeu?

KAREN: Aham...

LEONARDO: Bom, ó, vou começar a delegar as funções de cada um. Alguém quer falar algo antes? Eliana? Já consegue falar?

Eliana faz que não.

HUGO: Olha, o Wavá falou de levar uma caixa de som e eu me lembrei do que o salmista disse em dificuldade. Sobre como "Mil cairão ao teu lado, dez mil à tua direita, mas tu não serás... (espirra)

MIGUEL: Vish.

HUGO: ...mas tu não serás atingido!"

MIGUEL: Você vai atingir todo mundo com esses sintomas aí.

HUGO: É rinite.

MIGUEL: E Anderson, se eu fosse você me certificava de que as panelas que eles têm são novas.

ANDERSON: Elas são novas, sim. Certeza.

MIGUEL: É que se não forem, melhor deixar a Karen comprar novas. Digo, vocês são vacinados contra tétano, né?

WAGNER: Tétano?

HUGO: É aquela que dói.

GISELE: Não mais que esse papo...

KAREN: Vou pôr panela na lista aqui, só por segurança.

ANDERSON: Lista, que lista?

KAREN: Lista de coisas complementares, claro. Depois você me reembolsa. Até porque, pra acompanhar as panelas novas, precisamos de umas colheres de madeira e --

ANDERSON: Karen, não precisa de nada disso, por favor...

MIGUEL: Acho que o que não precisa mesmo é vocês saírem de casa.

Silêncio.

ELIANA: Você está tentando desmotivar a gente?

MIGUEL: Só tô falando.

ELIANA: Por que você está fazendo isso?! A gente quer se encontrar pra fazer um negócio legal e você... você...

MIGUEL: Ah, então, Eli, conheço uma doença que impede a pessoa de falar. Joga no Google depois. Se eu fosse você não saia de casa, não.

Eliana... se emociona. Sai da frente da câmera.

WAGNER/LEONARDO/HUGO: Desnecessário cara/Mancada/Assustou ela pra quê?

MIGUEL: Só tô dizendo. Essa doença é real.

KAREN: Será que criança pequena pega?

MIGUEL: Criança, adulto, todo mundo. Existem tantas doenças por aí que o melhor é ficar em casa, tomar umas vitaminas, chá. Aliás, deixa eu ir medir minhas glicemia aqui.

Miguel sai da frente da câmera.

KAREN: Açúcar! Gente! É mesmo! Mandaram num grupo ontem! O açúcar está numa daquelas promoções leve seis pague três aqui no mercado!

LEONARDO: Tem alguma coisa que não está em promoção no mercado?

KAREN: Vou lá descobrir!

ANDERSON: Karen, não prec --

Karen sai da frente da câmera. Miguel volta depressa.

MIGUEL: Vai de máscara! Coloca óculos também. Não é a toa que falam que se você coça o olho, pega. Tá tudo no ar!

WAGNER: O que falam na TV é uma prisão, cara! Estão querendo castrar o espírito humano. O espírito humano é livre!

MIGUEL: Opa, radicais livres, bem lembrado. Tenho algumas vitaminas pra eles. Calma aí.

Miguel sai da frente da câmera.

WAGNER: Não foge não, cara! Escuta só: o espírito humano vê um obstáculo, uma limitação, uma pandemia de merda, e sabe o que ele fala? O espírito humano vira e fala "hoje não!"

ANDERSON: Falou pouco, mas falou bonito.

WAGNER: Obrigado.

ANDERSON: Falou com autoridade.

WAGNER: Obrigado, obrigado.

ANDERSON: Firme, sem medo de represália.

WAGNER: Ah, que isso...

ANDERSON: Falou como que lendo um aristotélico artigo metafísico para uma multidão ou mesmo em meio um reservado banquete platônico.

WAGNER: Ah, não é pra tanto...

ANDERSON: Já pensou em entrar para a política?

WAGNER: Já pensei...

ANDERSON: E então?

WAGNER: E então o quê?

ANDERSON: Como "e então o quê?", e então que... gostaria de ser apresentado para algumas pessoas?

WAGNER: Depende. São pessoas legais?

ANDERSON: Sim, tenho certeza.

WAGNER: Quanto de certeza?

ANDERSON: Estou bem certo.

WAGNER: Mas eles são...

ANDERSON: Políticos.

WAGNER: Então como que são pessoas legais?

ANDERSON: Como assim?

WAGNER: Como assim "como assim?"?

GISELE: ARGH! Meu Deus do céu! Me acerta com um raio!

Gisele sai da frente da câmera.

LEONARDO: Eu já tô desistindo pela segunda vez. E não vai ter "volta, volta" que me faça voltar. Se isso for uma melhor de três, então fim de jogo.

HUGO: Irmão, me diz uma coisa, você acha que Jó perdeu a fé assim, logo na primeira dificuldade?

LEONARDO: Quem?

HUGO: Ou será que você pensa que Davi desistiu naquela hora que não podia contar mais com o próprio filho?

LEONARDO: Hã...

HUGO: É cedo pra perder a fé e desistir!

LEONARDO: Cedo... Cedo? A Karen foi mesmo no mercado. A Eliana sumiu toda chorosa. O Miguel deve estar se automedicando. A Gisele deve estar não quero nem pensar.

O telefone do Anderson toca.

ANDERSON: Com licença pessoal, tenho que atender. Não vou demorar, tenho certeza. Continuem, continuem.

Anderson sai da frente da câmera.

LEONARDO: "Não vou demorar", essa é boa. (para Hugo) Vê? O problema aqui não é a falta de fé.

WAGNER: Se for desistir fala logo que eu meto o pé na estrada sozinho.

LEONARDO: Eu não quero desistir. Mas...

HUGO: Ó, pensa assim, imagina João escrevendo o livro de Apocalipse em meio todos os horrores que ele sofria naquele período. Por quê? Ele poderia ir fazer outra coisa mais leve do que registrar visões do fim do mundo, não? Mas eu penso que ele abraçou a missão de própria vontade pois Deus lhe mostrou o quão perfeito era tudo aquilo e como ele, João, era o felizardo de poder registrar o grande plano de Deus!

Silêncio.

HUGO: Falem alguma coisa.

LEONARDO: Amém?

WAGNER: Bom, se não vamos desistir vamos fazer o quê então?

HUGO: A gente podia... esperar um pouco...

 

3.

Os três estão distraídos.

WAGNER: Quanto tempo a gente já tá aqui?

LEONARDO: Quase uma hora?

WAGNER: Totalmente jogada fora.

HUGO: Já faz tempo que passou a aurora.

LEONARDO: E só piora.

WAGNER: Pensando logo em ir embora.

HUGO: Mas e se finalmente estivermos perto de uma melhora?

LEONARDO: Seria da hora.

WAGNER: Ei, caras, deixa esse jogo pra quando a Gisele voltar. Ela fica puta da vida.

Gisele volta depressa.

GISELE: Eu ouvi isso!

WAGNER/LEONARDO/HUGO: Olha ela aí/Saudades/Que bom que você tá bem/Estávamos preocupados já/Fica aí, não some...

GISELE: É. Sei. Sabem por que eu não fui medir minha glicemia com uma faca minutos atrás?

WAGNER/LEONARDO/HUGO: Credo/Não deixa a Eliana te ouvir falar assim/Nem o Miguel/Eu tinha umas ideias assim também, aí encontrei Jesus/Melhor encher a cara, vai por mim...

GISELE: Tá, tá. Escuta. Antes da pandemia, fui numa cartomante e ela disse precisamente todos os detalhes da minha vida. Não adianta usar uma faca porque aquela mulher me disse como irei morrer e não é com navalha ou faca ou forca...

Silêncio.

WAGNER: (para Gisele) Tá, para de suspense...

Eliana volta.

WAGNER: (para Gisele) ...como é que você vai morrer?

LEONARDO/HUGO: Puts!/Shh!

ELIANA: Por que vocês ficam falando essas coisas horríveis?!

GISELE: Porque a gente gosta.

WAGNER/LEONARDO/HUGO: Não é bem assim/Foi no sentido afigurado/Brincadeira...

Karen volta.

KAREN: Ufa! Quanta gente naquele mercado... (repara bem nos outros) Vocês foram cozinhar? A Eliana parece que cortou cebola.

ELIANA: Eles estavam incentivando a Gisele a se matar!

KAREN: Que absurdo!

GISELE: Pois é, menina!

WAGNER/LEONARDO/HUGO: Por um acaso vocês estão bêbadas?/Eu vou desistir pela terceira vez/Eu era assim também, fazia falsas acusações...

KAREN: Vocês não tem vergonha?

GISELE: Nenhuma. Me deixam de fora das rimas.

HUGO: A gente te inclui nos jogos, só para de loucura.

GISELE: Jura?

HUGO: Pra você vê que água mole, pedra dura, tanto bate até que...

GISELE: Fura!

ELIANA: Calma, então foi tudo uma travessura?

KAREN: Até eu perdi a compostura.

GISELE: Ah, para, não me venham com... frescura.

LEONARDO: Pegou o jeito.

WAGNER: Eliana, ela disse que sabe como vai morrer. A gente ficou curioso, apenas isso.

HUGO: Ela não precisa de incentivo para querer se ma -- digo, se maravilhar provocando os outros.

ELIANA: Vocês estão dizendo que eu entendi tudo errado?

WAGNER/LEONARDO/HUGO: Sim!

ELIANA: Ah... Me desculpem por favor! Eu não quis causar confusão!

WAGNER/LEONARDO/HUGO: Não, para/Não teve confusão/Tá tudo ok/É um coração sensível/A culpa é da você sabe quem...

KAREN: Vocês não sabem o que é confusão. O mercado aqui perto...

Anderson volta.

ANDERSON: Gente...

KAREN: Você mesmo! (pega o papel com a lista de mercado) Aqui!

ANDERSON: Não!

KAREN: Sim! Vou mandar uma foto no grupo pra vocês verem essas promoções. Espero o dinheiro. Aí volto lá e compro tudo!

Todos olham no celular.

ANDERSON: Fósforos, pasta de dente...

HUGO: Muita fartura.

GISELE: Imagina o tamanho da fatura.

KAREN: Todo mundo sabe como essas coisas acabam depressa. Pensem nos benefícios para as famílias!

WAGNER: (para Anderson) Libera a grana pra dona aí! E vamos logo lá!

ANDERSON: Tá, tudo bem. Fazer o quê...

KAREN: Opa, aqui a gente ganha pelo cansaço! Eu que deveria entrar pra política. Vou voltar lá ago --

LEONARDO: Calma! Fica aí!

Miguel volta.

MIGUEL: Vocês falam bastante, hein. Será que isso é normal?

LEONARDO: Pronto, o time tá completo. Vamos ao esquema --

ANDERSON: Gente, então, é o seguinte, minha agenda apertou. Estarei ocupado a semana inteira. Essa operação secreta terá que ser amanhã. Amanhã é o dia. Amanhã é o dia D. Tudo bem, amanhã? Só pode ser amanhã. E aí, tudo combinado já, né? Me atualizem, por favor. Mas tem que ser amanhã.

LEONARDO: (respira fundo) Então será amanhã cedo! Nove horas! Umas oito eu vou no mercado com a Karen, a gente deixa as compras no jeito.

KAREN: Posso levar as crianças no mercado?

LEONARDO: Não. Wagner vai de moto pegar Gisele, porque ela sente tédio e ele dirige com responsabilidade.

WAGNER: Eu dirijo com o quê?

GISELE: Em alta velocidade.

WAGNER: Ah, verdade.

LEONARDO: Anderson já está com o carro cheio de cestas básicas e vai direto pra comunidade. Certo?

ANDERSON: É certo que você não poderia estar mais certo. Parabéns pela organização.

LEONARDO: Hugo vai levar...

HUGO: A palavra de Deus.

LEONARDO: Amém. Eliana pode dar carona para o Miguel.

ELIANA: Combinado.

MIGUEL: Eu vou?!

TODOS EXCETO MIGUEL: Vai!

MIGUEL: Nossa, mas por quê?!

ELIANA: Você tem um estoque de máscaras, não é mesmo?

MIGUEL: Umas cento e quarenta e seis, pouca coisa.

ELIANA: Com uma doação de metade desse seu estoque, as pessoas da comunidade estarão mais protegidas e isso significa menos chances da doença se espalhar e chegar até você.

Miguel pondera.

LEONARDO: Combinado?

MIGUEL: Eu vou. Mas eu vou só porque...

GISELE: Porque sim.

WAGNER: Aproveita e leva o seu estoque de álcool.

HUGO: Em gel.

WAGNER: Serve.

ANDERSON: Fechou então? Até que foi rápido!

KAREN/HUGO/GISELE: Outro fuso mesmo/Foi tudo menos rápido/Imagina só se tivesse demorado...

LEONARDO: Chega. É isso! Eu vou tomar outro açaí e até amanhã. Algum comentário importante antes de clicar no botão vermelho?

ELIANA: Acho que agora eu consigo falar. Ajudar essas famílias em condições de risco nesses tempos ruins faz com que eu me sinta...

LEONARDO: Animada?

MIGUEL: Com saúde?

WAGNER: Livre?

HUGO: Abençoada?

ANDERSON: Altruísta?

GISELE: (dá de ombros) Sei lá?

ELIANA: ...faz com que eu me sinta... humana.

 

EPÍLOGO

LEONARDO: Essa galera aqui queria fazer algo bom.

ANDERSON: Mas e se não fosse?

KAREN: Poderia ser algo desnecessário.

WAGNER: Só uma saidinha, um risco pequeno.

GISELE: Mas ainda assim um risco.

ELIANA: Para eles, para outros.

HUGO: Outros que vendo, se arriscariam a sair também.

MIGUEL: Afinal, parece seguro. Tudo normal.

ANDERSON: Mas não é. Não está.

LEONARDO: Por isso, não importa se você é jovem e saudável.

HUGO: Ou se tem uma fé enorme.

WAGNER: Ou se simplesmente quer se libertar.

ELIANA: Saia de casa somente se for necessário.

GISELE: Encontre outro jeito para lidar com o tédio.

KAREN: Experimente criar algo.

MIGUEL: Experimente criar algo em grupo.

ANDERSON: Tipo algo assim. Uma aglomeração, só que a distância.

LEONARDO: Em vídeo chamada.

KAREN: Pelo tempo que for necessário.

MIGUEL: Você vai se espantar com o quão saudável pode ser.

GISELE: Saudável para sua resistência.

HUGO: Até que os tempos voltem ao normal.

ELIANA: E você possa fazer tudo que você fazia antes.

WAGNER: Com mais liberdade e paixão.

INfluxo
Henrique Ranieri Cristovão
Henrique Ranieri Cristovão Seguir

Espécie de contador de estórias.

Ler conteúdo completo
Indicados para você