INfluxo
INfluxo
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

FELIZ ANO NOVO PELOS CAMINHOS DA SÃO SILVESTRE

FELIZ ANO NOVO PELOS CAMINHOS DA SÃO SILVESTRE
Cassiano Ricardo Martines Bovo
dez. 22 - 5 min de leitura
000

31 de dezembro.

Avenida Paulista com Rua Augusta.

Muitos os roteiros possíveis para correr ou andar pela cidade; um deles é o da Corrida de São Silvestre.

É dada a largada!

Últimos quarteirões daquela que é chamada de “a mais paulistana de todas as avenidas”.

Paróquia São Luís Gonzaga, Praça do Ciclista, Instituto Moreira Salles.

Esquina com a Consolação.

O Cine Belas Artes lá resiste, mas tem que ser com outro nome: Petra Belas Artes.

Na esquina da frente o ressuscitado Bar Riviera que nos remete a Rê Bordosa e o garçom Juvenal pelas mãos e a mente de Angeli.  

Avenida Dr. Arnaldo.

De frente para o tão necessário Instituto Emilio Ribas a descida da Major Natanael roçando o Cemitério do Araçá.

Continuação, Rua Itajobi, curva que leva ao Estádio Pacaembu, cujo nome é Paulo Machado de Carvalho.

A Desembargador Paulo Passaláqua rodeia o palco de grama cercado pelas quatro linhas. Memoráveis jogos, gritos de guerra, o tobogã tremendo....  

Praça Charles Miller, entrada principal.

E vem a arborizada Avenida Pacaembu que passando sob o túnel da General Olímpio da Silveira muda de nome quando se encontra com o viaduto sobre a linha do trem: Avenida Dr. Abrahão Ribeiro. À esquerda avista-se o Memorial da América Latina.

Rua Norma Pieruccini Giannotti. 

Av. Rudge.

Viaduto Orlando Murgel.

Embaixo, espremida pelas linhas do trem, a Favela do Moinho. Do lado esquerdo se vê a enorme fábrica abandonada que fica na Rua Solon; local que já foi o Radar Tantã de memoráveis shows nos anos 80.

Av. Rio Branco.

Na esquina com a Alameda Glete (boca da “Cracolândia”, abandono, tristeza) o casarão que chama a atenção: Palácio Campos Elíseos, hoje Museu das Favelas.

Do lado, o Terminal Princesa Isabel. E vem a Praça que leva o mesmo nome; agora toda gradeada. Limpeza que não resolve o x da questão.

Segue na Rio Branco.

Ao chegar na Ipiranga, o Palacete Martins Costa. Pequeno trecho na avenida, mas o cruzamento com a São João é de tirar o fôlego, já que imortalizado na letra de “Sampa” (Caetano Veloso). Na esquina, o tradicional, e sempre lotado, Bar Brahma.

Avenida São João de seus outrora grandes cinemas, hoje igrejas.

E vem a Rua Aurora, mas continua pela Barão de Limeira; Praça Júlio de Mesquita ao lado. À frente os Hotéis Grand Barão e Reinales Plaza Hotel.  

Duque de Caxias que vai dar no Largo do Arouche e lá, à direita, ao fundo, se vê o Minhocão.

Rêgo Freitas.

Marquês de Itu.

Bento Freitas que já foi a das tantas boates da Boca do Luxo.

O outro extremo do Largo do Arouche.

A agitada Vieira de Carvalho que vai dar na Praça da República que, por sua vez, abriga o “sempre” Caetano de Campos, hoje Secretaria da Educação do Estado. Seguindo por trás, avista-se o Terraço Itália.

Vira na Ipiranga e beira a praça por outro lado, onde desembocam a 7 de abril, a Barão de Itapetininga e a 24 de Maio, artérias do Centro Novo.

Ainda nessa avenida o teimoso Cine Marabá, quando, de novo, se chega ao imortalizado cruzamento.

Entra de novo na São João, mas agora no sentido contrário.

Galeria Olido e do Rock. Que dupla! Em frente, o Largo do Paissandu. No meio, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

Conselheiro Crispiniano. Duro de ver o antigo Cine Marrocos fechado e abandonado.

Praça Ramos de Azevedo.

Teatro Municipal. Shopping Light no imponente prédio que já foi a sede da própria empresa de energia elétrica.

Ao lado, Viaduto do Chá e Anhangabaú, mas não é por lá que se vai.

Coronel Xavier de Toledo da Biblioteca Mário de Andrade.

Viaduto Nove de Julho.

Avista-se o Bar Estadão, parada nas madrugadas; 24 horas de sucesso com o famoso lanche de pernil.

Embaixo do viaduto o fluxo incessante da Avenida Nove de Julho.

Continuação. Avenida Maria Paula que encosta no Bixiga. Câmara Municipal.

E se vê o viaduto sobre a 23 de Maio que leva à Praça da Sé e João Mendes, mas o caminho é a Brigadeiro Luís Antônio.

Subida que é prova de fogo para quem corre.  

Teatro Renault, onde já foi o Cine Paramount.  

Praça Pérola Byington.

Centro de Referência da Saúde da Mulher. Região dos teatros. Ali perto, o Oficina.

Castelinho da Brigadeiro.

Cruzamento com a 13 de Maio das cantinas do Bixiga.

Segue na Brigadeiro. Paróquia Imaculada Conceição.

E vem a Paulista. Alívio?

Paulista, 900.

Chegada!

Escadaria. Fundação Casper Líbero. Cine Reserva Cultural, antigo Gazeta, Gazetinha e Gazetão.

Ufa! 15 km. Cansaço? Que nada, liberação de hormônios que dão ânimo para o Ano Novo...

 



Denunciar publicação
    000

    Indicados para você