[ editar artigo]

DESACELERANDO

DESACELERANDO

 

A PANDEMIA CHEGOU E COM ELA NOVAS FORMAS DE SE VIVER. MEU PRIMEIRO ÍMPETO FOI ISOLAR-ME COM O POVO MEU, MAIS CHEGADO E MAIS RESTRITO, EM CASA DE MINHA IRMÃ, NA SERRA...

QUE ALEGRIA VER O MATO DE MANHÃ, AO ACORDAR, A PAISAGEM TÃO SERENA, MEU PAI BATENDO O MARTELO EM TODO TOCO DE MADEIRA ENCONTRADO, MINHA MÃE ARRANCANDO MATO, PLANTANDO. COZINHANDO, LAVANDO E PASSANDO..."MEU DEUS, ESSA MULHER NÃO PÁRA?"

MINHA IRMÃ É BICHO PREGUIÇA, SÓ DORME, ACORDA, DORME MAIS UM POUQUINHO!

E AS CRIANÇAS, QUE DIZER? SÃO VIDA PULSANTE, QUE ALEGRIA TÊ-LAS POR PERTO!

E EU, NESSE MEIO TEMPO? INVENTO MIL COISAS, MAS TUDO DEVAGAR E SEM PRESSA, POIS QUE SOU MISTURA DE MINHA MÃE DESASSOSSEGADA, COM MEU PAI QUE É VIDA MANSA, ÍMPETOS DE ARTISTA!

MAS O TRABALHO ME CHAMA, SE É REMOTO, SEM INTERNET, SEM SINAL, SEM ENERGIA, NÃO SE FAZ..."VOLTO PRA CASA ABATIDA, DESENCANTADA DA VIDA"... COMO ESTA CANÇÃO... MAS NÃO É DE MEU FEITIO RECLAMAR...FOI BOM, ENQUANTO DUROU!

Ler conteúdo completo
Indicados para você