[ editar artigo]

DENTRO

DENTRO

Os casulos as conchas, barris, paredes e unhas que rasgam a superfície
As unhas trituram a tintura 
As unhas descascam, deixando amostra a camada agonizante 
A solidão desesperada enclausurada 
Como um cão de rua que conhece o bairro 
Capturado e trancado
A prisão mental que os dedos não tocam
O desejo inalcançável que voa sozinho pelas mãos
O tesão insaciável
O corpo é um só 
O desespero nada mais, além de unhas 
Que descascam as manchas mal feitas 
E abrem o cimento, o tecido adiposo, o esmalte perolado da ostra
Por dentro, tijolo, sangue e calcário
Por dentro morte
Por dentro doença antiga, mal tratada 
Colonização e desigualdade
Por dentro do planeta, a mutabilidade inevitável
Por dentro do corpo, vírus
Por dentro das casas, pânico
Ou esperança do mundo virar do avesso
E se reinventar 
Por dentro do inconsciente dessa geração
Rastros psicossomáticos de revolução internalizada
Dentro das grandes corporações, planejamento
A calma milionária
O conforto liberalizado
Preparem as bandeiras
Paguem com a sua força de trabalho depois que o globo voltar a girar
O que sobrar da Terra
O que sobrar do frágil homem
O que sobra são raspas de unha 
Garras cortadas 
Pra quem nunca teve parede nem teto, roer

INfluxo
Geovana Morais
Geovana Morais Seguir

Eu sou uma casa vazia mas tem um cachorro latindo dentro

Ler conteúdo completo
Indicados para você