[ editar artigo]

Confecção de máscaras

Confecção de máscaras

Era um final de tarde, comecinho da noite, de um dia muito quente, como outros daquele lugar...

Mamãe confeccionava máscaras para a família toda e também para vender, conseguir um dinheirinho para poder nos sustentar....

Nuvens negras encobriam o céu da cidade de um jeito diferente. Mamãe correu para pegar as máscaras lavadas no varal.

E gritavam para as crianças fecharem as janelas e portas, se não as máscaras feitas, naquele dia, podiam molhar.

Que o vento, os trovões e os pingos fortes anunciavam uma chuva forte dessas torrencial...

Relâmpagos substituiam a energia elétrica da rua e das casas... Só ouvia passos correndo no escuro, prá lá e para cá.

Buscando um abrigo, algumas pessoas entraram para o 'alpendre' de nossa casa, e diziam:"Vamos ficar aqui...até a chuva passar".

Tudo bem, a gente respondia,"podem ficar aí a vontade", mas por ser época da pandemia, não chamávamos para entrar.

Ficamos sem jeito, por não podermos melhor acolhimento lhes dar. Infelizmente... hoje está assim, mesmo protegidas, meio a um temporal, não se pode aglomerar.

Nesse dia, mamãe vendeu umas 10 máscaras para aquela família, que apareceu ali para se agasalhar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TAGS

influxo

INfluxo
Nilva Moraes Ferreira
Nilva Moraes Ferreira Seguir

Sou professora aposentada. Formada em Letras e.pós- graduada em Língua Portuguesa.

Ler conteúdo completo
Indicados para você