Atividades
  • Notificações
  • Tags
  • Favoritos
Nenhuma notificação

A morte da mata

A morte da mata
Nelson Jacintho
mai. 31 - 1 min de leitura
6 Curtidas
4 Comentários
0

                        A terra treme quando a garra enorme

                        Lhe arranca a pele, num andar constante

                        Da esteira bruta, que caminha informe,

                        Na mata verde, que cai soluçante...

 

                        A brisa passa, mas hoje está triste,

                        A verde mata está ressequida.

                        O mar de folhas já não mais existe.

                        A mata inteira já tombou sem vida...

 

                        A seriema que cantava perto

                        Nas manhãs lindas de sol escaldante,

                        Ao ver a mata virar um deserto,

                        Triste e sem graça, foi cantar distante...

 

                        O beija-flor, o silencioso amante,

                        Que as flores todas, beijava e amava,

                        Voou tristonho, p’ra local distante:

                        Morreu a mata que tanto gostava...

 

                         A madrugada que molhava a mata,

                         Com os seus beijos em forma de orvalho,

                         Ficou sentida, pois da grande mata,

                         Sequer deixaram um pequeno galho...

 

                         A lua cheia que brilhava à noite

                         Na nuvem negra ficou escondida,

                         Triste e chorosa, ficou de pernoite

                         Olhando a mata que está destruída...

 

                                                     Nelson Jacintho

 

 


Denunciar publicação
6 Curtidas
4 Comentários
0
0 respostas

Indicados para você