INfluxo
INfluxo
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

A CASA*

A CASA*
Cassiano Ricardo Martines Bovo
jan. 22 - 3 min de leitura
000


Agradável sensação eu experimentava sempre que passava em frente àquela pequena casa térrea na cidade de São Paulo; judiada pelo tempo e simples nas suas linhas arquitetônicas de estilo antigo. O farto quintal, todo de terra, a rodeava (frente, lateral e fundos); muitas plantas espalhadas em meio ao mato crescente e a generosidade de uma enorme e frondosa árvore.

Uma escada de cimento com seus três degraus levava a um alpendre antes de se chegar à porta de entrada. A fachada de pintura amarela já bem desgastada contrastava com a grande janela verde, de madeira, ao estilo antigo. Não a conheci por dentro, mas tudo indicava ter uma sala, dois quartos, banheiro e a cozinha que dava para o quintal, na parte dos fundos.

A casa estava vazia há algum tempo. Em determinado dia colocaram uma placa onde se lia: “Vende-se”. Logo a placa foi retirada e se viu que foi vendida, pois pilhas de materiais de construção foram erguidas logo na entrada, conforme pude ver pelas frestas de um enorme tapume colocado no lugar do portão.   

Ao menos externamente se via que a casa precisava de uma boa pintura (paredes, janelas e portas), aparar o mato, realizar melhorias aqui e acolá; enfim, uma reforma. Eu imaginei que quem a comprou assim pensasse. Mas não; logo percebi que a obra seria de grande envergadura, quebrando a minha expectativa de ver uma casa reformada, mas preservando o estilo original. Achei que ficaria linda. Mas isso ficou apenas em minha imaginação.   

Aos olhos da maioria das pessoas de hoje creio que o resultado da “destruição” e construção de uma nova casa ficou fascinante porque adoram o moderno e o sofisticado.  

Não há mais terra no quintal; agora é cimento e cerâmica.  A árvore foi mantida em meio a um buraco de terra (talvez a ânsia fosse arrancá-la, o que poderia esbarrar em restrições ambientais), a escada e o alpendre sumiram. Na fachada a janela de madeira cedeu lugar a uma outra, enorme, de vidro, protegida por grades. Pequenos retângulos de vidro, nas laterais (em cima, próximas ao telhado, e mais para baixo) foram colocados, muito ao gosto das construções atuais. Um enorme portão gradeado quase que totalmente encobriu a casa.

Talvez os novos donos agora digam: “a casa é pequena, mas tem sua suntuosidade, segue os padrões modernos”. 

Eu que adoro casas antigas (não necessariamente históricas) lamento por ser uma a menos numa cidade que vai destruindo o estilo passado, sem maiores preocupações preservacionistas, quando não cedendo lugar a prédios gigantescos.  

Não há como escapar da imagem que rapidamente vem à minha mente em situações como essa, refletindo um outro e oposto conjunto arquitetônico: o das tão poucas cidades históricas brasileiras que sobraram e às duras penas tentam resistir, preservando as fachadas dos imóveis. 

* Publicado originalmente na II Antologia taquaranense de escritores leitores e convidados, organizada por Wal Ferry.

 

 

 




Denunciar publicação
    000

    Indicados para você